O SONO DO BEBÊ – Mil Receitas, Mil Controvérsias

sleep

 

Toda grávida escutou, mais de cem vezes, pessoas lhe aconselhando: aproveita para dormir agora, que depois… No auge da inocência da mãe de primeira viagem, temos um plano maravilhoso em nossa cabeça em que tudo dá certo e não teremos dificuldades com nenhum dos problemas usuais das crianças: “meu filho não vai fazer birra”; “meu filho vai comer bem”; “não vou colocar meu bebê para dormir na cama comigo nunca”; “vou colocar o bebê no berço e ele adormecerá sozinho”.

Daí vem os bebês, e estragam com cada um dos nossos lindos planos que tínhamos da maternidade perfeita.

Eu sempre me interessei muito por todo tipo de assunto relacionado a bebês, li muitos parenting books, artigos pediátricos e psicológicos sobre o desenvolvimento infantil, e, naturalmente, muitos livros que tinham fórmulas mágicas para regular o sono do bebê e faze-lo dormir a noite toda.

Quis o destino que eu tivesse três bebês. Com isso, ganhei prática também. Há muito tempo estou maquinando neste assunto, querendo escrever algo que possa ajudar a maior parte dos pais no sono de seus bebês.

 

Existem muitos livros e muitas abordagens diferentes, mas grosseiramente podemos dividir a literatura em três modos de abordar o problema:

 

  • Ferber: autor de um famoso livro para controle do sono do bebê, sofre muitas críticas por seu método comumente chamado de “cry it out” (deixar chorar). Não fecha muito comigo, não conseguia tolerar deixar meu filho chorando no berço. Porém valeu muito a leitura, ele explica muito sobre como funciona o sono do bebê, ciclo circadiano, sono REM e não-REM. Ajudou bastante embora eu não concorde com seu método: acomodar o bebê no berço ainda acordado e deixa-lo sozinho. Se chorar, esperar 1 minuto para entrar, consolar, reassegurar o bebê (sem pega-lo no colo) e sair novamente. A proxima entrada em 2 min, depois 4 min, e assim por diante, até o bebê dormir.

 

  • Weissbluth: versão “radical” do Ferber. Você não volta no quarto depois que saiu. E ponto.

 

  • Dr Sears / Pantley: advogam o attachment parenting, incentivam que o bebê durma na cama dos pais, e oferecem métodos vagos de como lidar com o sono do bebê e incentiva-lo a dormir mais.

 

Outros livros oferecem dicas diversas, que se encaixam em algum perfil descrito acima.

Resultado: mãe confusa, bebê que acorda muitas vezes à noite, sensação de incompetência parental.

 

Bom, o que posso então orientar? Como mãe de três filhos e pediatra, me sinto na obrigação de tentar ajudar aos pais com minha experiẽncia.

Para o recém-nascido, usei bastante as dicas do Harvey Karp (The happiest baby on the block) e funcionou bastante. Enrolar o bebê firmemente para dormir, white noise, funciona mesmo. Usei nos três. Os gêmeos, inclusive, tinham um swaddler com velcro que era uma maravilha – nem precisava de técnica para enrolar na mantinha/cueiro. Aconselho a todas as mães com bebês recem-nascidos ou gestantes que assistam o vídeo (o livro é muito chato e repetitivo). Tem no YouTube.

 

O seu bebê cresce, e daí vem o momento em que não dá para enrolá-lo para dormir. O que fazer então? Entrei em contato com alguns livros sobre “french parenting” em que descobri que as mães francesas esperam que seus bebês durmam a noite toda aos 3 meses! E o incrível é que eles dormem mesmo. Estilo de educar os filhos é algo cultural. Difícil copiar um método de outra cultura. A própria visão delas da maternidade é diferente. Mas tinha uma dica de ouro ali: por observação, a autora de Bringing Up Bebe (Pamela Druckerman) notou que elas praticavam “la pause” (a pausa). Toda vez que seu bebê chorava, a mãe francesa primeiramente olhava o bebê, como se analisando o motivo do choro, e depois o pegava no colo. Isso faz sentido. Não vale a pena agir a cada resmungo do bebê como se estivesse fazendo um resgate de uma situação perigosa. O bebê está chorando: por que será? Olhe para ele, depois fale com ele. Depois o pegue no colo calmamente, tentando tranquiliza-lo. É ou não é uma boa dica? Ajudou bastante também, porque eu não atendia o bebê no primeiro som que escutasse. Observava primeiro.

 

A informação mais importante que obtive em alguns artigos sobre o assunto e no livro do Ferber foi a questão da regulação do ciclo circadiano do bebê. O ciclo circadiano é o chamado “relógio biológico”, é o conjunto de processos fisiológicos e hormonais que ocorre em um ciclo de aproximadamente 24 horas, que determinam o sono e a vigília (estar acordado). Seu principal regulador é a luz solar, o que explica porque ficamos acordados durante o dia e dormimos à noite. O hormônio mais importante nessa regulação é a melatonina, que é secretada apenas quando não há presença de luz. A rotina diária também é um regulador do ciclo circadiano, e todos os programas de higiene do sono, para tratar transtornos relacionados ao sono endereçam a regulação do ciclo circadiano com controle da luz do ambiente e horários fixos para acordar e dormir, bem como organização de rotina.

O recém nascido não tem um ciclo circadiano regulado. Ele veio de um ambiente completamente escuro, onde a secreção da melatonina ainda não se ajustou. Portanto, é comum nos primeiros meses de vida o bebê acordar no meio da noite e não voltar a dormir.

O mais importante que podemos fazer por nossos bebês é o controle da luz ambiente durante o dia e a noite. Devemos colocar os bebês para dormirem de dia em um ambiente claro, e à noite fazer a rotina em um ambiente de penumbra. Isto é importante. Ajusta precocemente o sono do bebê. A rotina é também um grande regulador do ciclo circadiano, então ter uma rotina reprodutível durante o dia e uma rotina da noite com seu bebê também o ajuda a ajustar. É importante notar os melhores horários para colocar seu bebê para dormir durante o dia, e se ater a isso. Os bebês quando estão muito cansados acabam ficando muito agitados, irritados, e mais difíceis para colocar para dormir. Eles ficam com sono mas não vão dormir sozinhos. Eles precisam de você para determinar que devem dormir.

Eu pratico até hoje “gêmeos sincronizados”. Eles acordam, comem e dormem quase sempre nos mesmos horários.

 

Daí vem todas as outras dicas: devo embalar para dormir? Devo treiná-lo a dormir direto no seu berço? Vemos que as pessoas têm opiniões fortes sobre isso. Não tenho como responder, isso entra no âmbito das preferências de cada um. Eu sempre fiz meus bebês dormirem no meu colo, e depois coloco no berço. Meu primeiro filho, quando estava com um ano, passou a adormecer no berço, mas sempre com companhia. Ele exigia que um de nós ficasse até que adormecesse. É assim até agora (está com 2 anos).

Os gêmeos gostam de um colinho para dormir, ou que a gente se deite com eles abraçado, até adormecerem. Depois vão para o berço. Hoje estava me dando conta que em seguida eles crescerão, vão dispensar o colinho, o abraço, e vai me restar só a saudade. E a lembrança de meus lindos bebês dormindo.

Gostou do post? Compartilhe!

Deixe seu comentário.

11 comentários

  1. Muito bom.
    Minha filha acabou de completar 1 ano e ainda acorda durante a madrugada… e fico bem feliz quando é uma vez só. .. Não vejo a hora dela (e eu) dormir a noite toda. Bjs

    Curtir

  2. Rita! Concordo contigo sobre o colinho pra dormir. No início, colocava ele acordado no berço pra dormir e ele dormia, com mais ou menos esforço. Mas com o tempo, ao invés de esse resultado positivo reforçar a minha conduta, fui sendo cada vez mais permissiva em fazê-lo dormir no colo. Porque quem precisa desse colinho sou eu! E afinal, não vejo mal nenhum em ninar meu bebê de 6 meses para dormir… Duvido que um bebê que saiba adormecer sozinho se transforme em um adulto mais seguro e independente que o meu, e que isso se deva exclusivamente a essa conduta.

    Curtir

    1. Não há nada que comprove que não dar colo para dormir faça que um bebê se transforme em um adulto mais confiante e independente. Muito pelo contrário, bebês que não têm sua demanda emocional suprida por seus cuidadores têm maior chance de um insecure attachment, falta de confiança em seus cuidadores e por conseguinte no mundo, com maior risco de serem adultos com baixa auto estima e vários transtornos emocionais e de comportamento. O Ulysses frequentemente pede para dormir abraçado, e sempre é atendido. . Mas na maior parte das vezes prefere sua caminha. Os gêmeos ganham Abraço ou colo para dormir, e aos poucos noto que conseguem também dormir sozinhos no berço. Uma hora vão dormir sozinhos em seus berços ou caminhas, e mesmo sendo puxado para nós sabemos que é uma necessidade deles. Um momento só deles. O Abraço, a risadinha, a brincadeira leve só deles e o soninho com carinho na cabeça, nas costinhas. Não tem nada melhor no mundo.

      Curtir

  3. Rita, gostei muito do post e do blog. Gostaria de uma dica/opinião que pudesse me dar uma luz. Meu baby tem 4 meses e só dorme no peito (de dia e à noite). Não quer saber de chupetas. O prpblema é que ele, até entrar no sono profundo, não aceita ir para o berço. Acorda e ja reclama logo. Help me, please!!!! As vezes ele fica 2 horas para dormir a noite! E de dia nao engrena no sono se não ficar “pendurado”. Muito obrigada! Bjs

    Curtir

  4. Adorei o texto, principalmente a parte em que ficaremos com saudades desses momentos. Sejam eles bom ou difíceis.
    É incrível como esses pequenos crescem rápido e mudam seus hábitos.

    Curtido por 1 pessoa

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s